BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Agenor Tachinardi

Homenagem ao meu pai, Agenor Tachinardi 

Meu pai, meu companheiro! Memórias de infância 

Por Maria Helena Tachinardi 
Maio de 2017 

Meu pai e o rio Jundiaí se entendiam muito bem. A alma do rio, plácida e acolhedora, compreendia aquele homem afeito a pescaria aos domingos, nas tardes relaxantes dentro da mata fresca e perfumada, ensombreando o leito cristalino e silencioso do Jundiaí. Eram ambos criaturas de Itaici, o bairro que, até certo ponto, disputava fama com Indaiatuba, sobretudo pelo forte papel social da Estrada de Ferro Sorocabana: por aquele entroncamento passavam diariamente 12 trens de passageiros. 

As tardes de domingo com meu pai à beira do Jundiaí são inesquecíveis. Eu tinha seis, sete, oito anos ... e o acompanhava na preparação das iscas de miolo de pão e minhoca e no cuidado com as varas. Levávamos de volta para casa o samburá cheio de corimbatás, lambaris, traíras, bagres e cascudos. 

Quando eu nasci, meu pai tinha 31 anos, e certamente já pescava no rio Jundiaí, na altura do “rio cortado”. Hoje, só posso imaginá-lo sorridente, naquela época, praticando o lazer de que mais gostava. Meu pai me ninou quando eu era pequenina e mal respondia pelo apelido de “Maiena” dado por minha irmã, Vera. 

Papel social igualmente importante em Itaici, semelhante ao da estação da Sorocabana, teve meu pai com seus dois estabelecimentos comerciais que o tornaram referência na região: o Bar e Sorveteria Itaici e o Armazém Santo Antonio. Do primeiro, em frente à estação, lembro-me de um entra-e-sai de passageiros apressados que tinham os minutos contados para descerem do vagão, atravessarem a rua e serem atendidos por meu pai, sua mãe, Emma, por suas irmãs, Laura, Zulmira e Noêmia, e por minha mãe, Adalgisa. Vera e eu, tiquinhos de gente, nos misturávamos aos fregueses, que já nos conheciam, o que tornava aquele ambiente comercial uma extensão da casa onde todos morávamos, o casarão que, pela tradição oral, teria sido frequentado por Dom Pedro I, pois Itaici estava na rota da histórica Itu, para onde o imperador viajava a cavalo. O imóvel teria sido de propriedade do Chico Itaici, outro personagem da história local.  Nossa família providenciava tudo para satisfazer o apetite dos famintos passageiros: bolos, sanduíches, café com leite, sorvetes de massa e de palito. O empreendimento familiar prosperou, mas meu pai trabalhou tanto naqueles balcões que adoeceu: estresse, foi o que me lembro terem dito sobre o cansaço extremo que o acometeu. Esgotamento nervoso. Foi por isso que nos mudamos para a rua Candelária, em Indaiatuba, quase esquina com a rua 24 de maio, para ele descansar, mas para quem tinha nas veias o sangue de comerciante era difícil se afastar das atividades de comprar, vender, servir. Assim, meu pai, de dono de bar passou, no final da década de 1950, a vendedor do Café Interior, de propriedade de Roque Frias. Eu o ajudava a anotar os pedidos em armazéns, vendas e bares da região, e depois voltávamos para a entrega da mercadoria. Nosso carro era um Chevrolet, o “verdinho” da família, que cheirava a café. 

Foi por essa época que eu adoeci. Aos seis anos, tive febre reumática, sequela de uma infecção na garganta. Essa doença, provocada pela bactéria streptococcus, pode afetar o coração, mas, felizmente, e com a ajuda do meu pai, me livrei de consequências mais graves. Tive de abandonar o primeiro ano, mas como eu gostava muito da escola, minha mãe, que lecionava no Grupo Escolar Randolfo Moreira Fernandes, apanhava a lição com a dona Landinha e a levava para casa para eu estudar. Assim, não perdi o ano.

A doença me deixou quase paralítica: eu tinha muitas dores nas articulações, estava impossibilitada de subir um pequeno degrau e os dedos das mãos ficaram encolhidos. Lembro-me de o médico ter dito aos meus pais que o pus estava chegando ao coração e, se isso acontecesse, seria fatal. Assim, tomei muitas e muitas doses de penicilina aplicadas por meu pai, quem, sem nunca ter feito curso de técnica de enfermagem, virava-se muito bem nessa prática. Depois de debelada a infecção, fui submetida a uma cirurgia para retirada das amídalas, em Campinas. Fiquei tão fraca, tão debilitada, que meu pai me ajudava a caminhar, era quase um reaprendizado desse exercício. Em Itaici, íamos de mãos dadas até a caixa d’água que abastecia a Maria-Fumaça, perto da ponte, onde o trem seguia rumo a Indaiatuba e Itu. Meu pai assava pedaços de carne, dos quais eu apenas sorvia o suco para me fortalecer. A lembrança dos meus seis anos é da doença, de dores, de tombos, de perninhas fracas. 

De Indaiatuba retornamos para Itaici, onde meu pai, irresistivelmente, voltou para o balcão. Ele era, então, na década de 1960, o dono do Armazém Santo Antonio, à frente do qual se manteve até poucos anos antes de sua morte, em junho de 2004. 3 No total, Agenor Tachinardi esteve atuante nos balcões de seus estabelecimentos, em Itaici, por mais de 50 anos, período em que poucas vezes saiu para descansar. Quando isso acontecia era para pescar no rio Diamante, em Mato Grosso do Sul, com amigos. 

No Armazém Santo Antonio, de secos e molhados, meu pai atendeu toda a “turma”, isto é, os ferroviários que moravam nas casas ao redor da estação. Eles compravam fiado e pagavam as despesas mensalmente, quando passava o trem pagador. Nesse dia, as cadernetas precisavam estar atualizadas. Eu o ajudava nessa atividade. Meu pai fazia contas de cabeça e me ensinou a somar rapidamente, sem auxílio de calculadora, que nem fazia parte do cotidiano dos comerciantes à época. Tínhamos uma linda máquina registradora no armazém, moedor de café, máquina de cortar frios, balança no balcão e no chão, para pesar mercadorias pesadas, como sacos de cereais. 

O armazém do Agenor era completo e nele também trabalhou toda a família. Era separado da casa em que vivemos, na rua Joaquim Pedroso de Alvarenga, por uma porta. Junto a ela, ficava o telefone de parede, linha de número 23 muito usada para emergências médicas. O armazém era ponto de referência, uma espécie de posto comunitário, para onde moradores acorriam para pedir ajuda – meu pai teve algumas kombis que levaram doentes para serem atendidos em Indaiatuba. Agenor também aplicava injeções, e prestava todos esses serviços com a paciência de um comerciante que busca entender a alma de cada freguês. Atendeu muitos bêbados e figuras folclóricas do bairro, perdoou dívidas, nunca deixou faltar mercadoria e encarou por décadas uma rotina prazerosa para ele: levantar-se cedo, buscar pão para atender os fregueses e, sem descanso, atravessar o dia vendendo, recebendo viajantes, caminhões de entrega, até perto de 8 horas da noite. Certamente, foi ao mesmo tempo um comerciante como poucos, marido, pai, farmacêutico, assistente social e animador cultural, pois gostava de receber no armazém cantores de cururu e repentistas. O armazém era também, aos domingos, ponto de encontro musical e de alegria. 

Junto do armazém, por um tempo funcionou o açougue do meu avô Amadeu Tachinardi, que também oferecia jogos como entretenimento aos homens de Itaici. Ao complexo do armazém e açougue juntavam-se dois campos – um de malha e outro de bocha, que meu avô cuidava como se fosse a sala da sua casa. Eu ia com ele ao rio Jundiaí buscar areia fina e fresca carregada em uma carroça, para completar o piso dos dois campos, “machucados” pelo arremesso de bolas de 4 madeira lisas e riscadas e discos de metal. Depois de esparramar a areia, aplainávamos a superfície e as canchas estavam prontas para as partidas. No açougue, Amadeu produzia linguiça pura de porco, deliciosa, que fez fama junto aos passageiros da Sorocabana. 

Meu pai era um homem bonito, elegante, sorridente, capaz de falar linguagens compreensíveis a iletrados e cultos. Ele completou o curso primário e não pode prosseguir nos estudos. Formou as filhas e vibrou com as conquistas delas. Minha irmã, Vera Lúcia, falecida em julho de 2016, foi educadora respeitada em Indaiatuba, e supervisora de ensino. Sílvia Regina, minha irmã mais nova, é psicóloga, e eu sou jornalista. Minha mãe, Adalgisa, com quem Agenor esteve casado por mais de 50 anos, foi uma das professoras mais elogiadas na cidade. Desse casal amoroso nasceram as três filhas e os três netos: Romeu, Lúcia e Mariana. Os bisnetos, Joaquim, Gabriel, Luísa e o mais novo integrante da família – o bebê da Mariana que nascerá em junho [de 2017], um dia conhecerão a história do principal comerciante de Itaici, aquele que atendeu os seus concidadãos com humildade e nobreza de caráter.

Armazém em Itaici
Crédito: acervo familiar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS PROCURADAS - Última semana

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

.

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES