BEM-VINDO AO BLOG DE ELIANA BELO
Arquivo virtual de História, Memória e Patrimônio de Indaiatuba (SP) e região.*

Este blog só é viável com o auxílio de vários colaboradores; seja um também, divulgando seu (s) texto (s) ou imagem (ns).

CITE A FONTE ao fazer uso de textos ou imagens publicados neste blog; grande parte do material foi cedido generosamente por colaboradores.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Exposição Virtual - Casarão Pau Preto



A Fundação Pró-Memória de Indaiatuba faz, esta semana, uma exposição virtual em sua página no Facebook sobre o nosso querido Casarão Pau Preto, bem tombado,  que hoje abriga a sede administrativa da Fundação.

A antiga sede da Fazenda Pau Preto foi construída no início do século XIX, entre 1810 e 1820, através da técnica da taipa, tanto a de pilão como a de mão, utilizando mão-de-obra escrava. Para levantar paredes de taipa-de pilão era necessário o uso de formas móveis com peças encaixáveis que se moviam, de acordo com a necessidade de elevar ou estender as paredes. No interior da forma feita de tábuas, era depositada uma massa composta majoritariamente por uma mistura de terra e água. Após o depósito da massa era necessário pilar, ou seja, compactá-la com intensas batidas, através do uso de uma ferramenta de madeira. A forma era desmontada após a massa estar seca e montada e assim a parede ia se constituindo. As paredes de taipa-de-mão eram feitas de madeira bruta, amarradas com cipó, numa estrutura que levava o nome de “gaiola”. 

Depois de estarem prontas, os espaços vazios da estrutura eram preenchidos com a massa de terra e água, mas, desta vez, com o uso das mãos. Em outras paredes foi identificado o uso de pedras, além de tijolos, que foram usados num segundo momento, quando o prédio sofreu alterações para adaptar-se às várias gerações da família Bicudo, que ali residiu desde 1885 até a década de 1980.

Por volta de 1885, o proprietário da Fazenda Pau Preto agregou a suas terras a chácara onde havia sido construído o Casarão e o transformou em sede da propriedade e, logo após, construiu ao lado do Casarão um prédio de tijolos para abrigar uma máquina a vapor para beneficiar café, sendo por muito tempo a única na cidade. Assim, este prédio que possui traços da arquitetura industrial inglesa é denominado Tulha.
A arquitetura do Casarão e da Tulha são portadoras de informações da economia brasileira em dois períodos: no período em que o Brasil foi colônia de Portugal, na qual o Casarão foi construído com o incentivo português à produção açucareira, voltada ao mercado predominantemente europeu; e a Tulha é fruto da economia cafeeira, do início da industrialização no Brasil. Neste período, houve na região a introdução de linhas férreas dinamizando a escoação da produção até o Atlântico.

Na década de 1980 a Fazenda Pau Preto já recortada por ruas e outras construções, tornou-se alvo do mercado imobiliário, ocasionando a destruição parcial da Tulha. Neste momento surgiu um movimento para sua preservação e para impedir a sua total demolição. Desse modo, em 1983 o Casarão foi declarado de utilidade pública, para nele ser instalado um Museu. Após esta data o prédio sofreu algumas intervenções e passou a abrigar a Secretaria Municipal de Cultura.
Assim, o mesmo movimento originário para impedir a demolição do Casarão deu origem a Fundação Pró-Memória de Indaiatuba que se tornou responsável pela preservação do imóvel E em 2007 o Casarão Pau Preto deixou de abrigar a Secretaria da Cultura e passou a ser sede administrativa da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba, abrigando o Museu, a Biblioteca Municipal Rui Barbosa, o auditório Tulha e um espaço aberto (o bosque), com árvores centenárias remanescentes da antiga fazenda.

Fonte do texto: Site da Fundação Pró-Memória de Indaiatuba. Disponível em:http://www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br/casarao/. Acesso em 31 de julho de 2013.





Para ver a exposição, acesse a página da Fundação no Facebook: https://www.facebook.com/media/set/set=a.402185766553488.1073741843.373368436101888&type=1

sábado, 20 de julho de 2013

71a. ROMARIA DE INDAIATUBA PARA PIRAPORA


ROMARIA - DÉCADA DE 1970


A Romaria, que neste ano completa 71 anos, é dedicada ao Bom Jesus de Pirapora, um dos mais importantes santuários paulistas e teve início em 1942 com a autorização da Cúria de Campinas. 

Os primeiros grupos de romeiros eram formados apenas por cavaleiros, porém, em 1947 começaram a aparecer os charreteiros e os primeiros ciclistas.

 Os pedestres começaram a surgir somente em 1951 devido a algumas dificuldades iniciais do percurso.
Atualmente, a Romaria de Indaiatuba à Pirapora conta com a participação de milhares de fiéis sendo uma das mais importantes da região. 

O grupo de pedestres que participa da 71ª Romaria de Indaiatuba à Pirapora partiu nesta sexta-feira (19), às 12h30, de frente da Matriz Nossa Senhora da Candelária. A saída foi marcada pela tradicional benção dos romeiros na presença do organizador do evento, Alcides Gaspar, o Cidão Gaspar. 

A chegada do grupo à Pirapora está prevista para as 17h do sábado. Para o domingo (21) a programação dos romeiros começa às 5h, com missa no Santuário de Pirapora. O retorno para Indaiatuba começa às 7h, com os ciclistas, e às 7h30 com os charreteiros e cavaleiros. A parada no Ponto do Almoço, em Cabreúva, será às 11h, e o grupo deve chegar em Indaiatuba às 19h.  

Este ano a Romaria faz homenagem especial a Hermes José Monteiro, um dos fundadores da Romaria que, segundo relatos familiares,  fez a primeira viagem a cavalo até Pirapora já no final da década de 1930, antes mesmo da Romaria ser "oficial".

Atualmente, a Romaria de Indaiatuba à Pirapora conta com a participação de muitos de fiéis sendo uma das mais importantes da região.





LIVRO SOBRE HISTÓRIA DE INDAIATUBA

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

POSTAGENS MAIS VISITADAS NA ÚLTIMA SEMANA

PESQUISAR NESTE BLOG

História do Hino de Indaiatuba

https://www.youtube.com/watch?v=tauWwWrYipc

Entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

VISITANTES NO ÚLTIMO ANO

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação

Indaiatuba - A cidade que tinha um urubu de estimação
Ave silvestre foi domesticada e atualmente voa livremente pela cidade, pousando em logradouros públicos, tornando-se conhecida e querida pelos indaiatubanos. Ajude a preservar!

SEGUIDORES